para ver para ler para aprender para jogar para fazer para conhecer

para home em português para home em francês para home em alemão para home em inglês

para ver e encomendar livros para crianças

para ler contos em português

para ler poemas de crianças em francês

para ler cantigas de roda

para ler cantigas de embalar

para a página do juramento de um cão

 
  título da página dos contos e lendas  
     
  O Lobo e os Sete Cabritinhos
(Irmãos Grimm © Recriado e traduzido por Dulce Rodrigues. Reservados todos os direitos)

Era uma vez uma cabra que tinha sete filhotes. Quando ia para o bosque buscar comida, dizia sempre aos cabritinhos: „Tenham cuidado com o lobo! Não lhe abram nunca a porta!“ E depois lá seguia para o bosque.

Num desses dias em que ela foi para o bosque, alguém bateu à porta e disse com uma voz rouca: „Abram a porta, meus queridinhos! Sou eu, a vossa mãe“. Os cabritinhos viram pela fresta da porta umas patas pretas e responderam: „Não abrimos, não! A nossa mãe tem uma voz doce e os seus pés são brancos; a tua voz é rouca e os teus pés são pretos; tu és o lobo!“

O lobo foi então até ao moinho e aí enfarinhou os pés para que ficassem brancos. Depois voltou a bater à porta da casa dos cabritinhos e falou com uma voz doce: „Queridos filhos, abram a porta! Sou eu, a vossa mãe!“ Os cabritinhos viram os pés brancos e pensaram que era a mãe. Abriram a porta e então o lobo entrou e comeu-os. Só escapou o cabritinho mais novo porque ele se escondeu na caixa do relógio e o lobo não o encontrou.

Quando a comadre cabra voltou para casa, suspeitou logo de que tinha acontecido alguma desgraça. Então o cabritinho mais novo saiu do relógio e contou o que se tinha passado.

A comadre cabra dirigiu-se imediatamente para o campo e aí encontrou o lobo, que dormia debaixo de uma árvore e ressonava tanto que até os ramos tremiam. E dentro da sua grande barriga, algo mexia e remexia. A cabra logo ali abriu a barriga do lobo com uma tesoura, e os cabritinhos saltaram cá para fora, sãos e salvos. Então a cabra encheu a barriga do lobo com pedras e coseu-a. Quando o lobo acordou, quis ir beber água à fonte, mas, com o peso da barriga, caiu e afogou-se.

Muito alegres e felizes, a cabra e os seus filhotes puseram-se então a dançar à volta da fonte.

O teu amiguinho de quatro patas.

assinatura do Barry

 
  voltar à página anterior  
 
   
       
    Todos os Textos e Imagens © Dulce Rodrigues, 2009. Todos os direitos reservados