para ver para ler para aprender para jogar para fazer para conhecer

para home em português para home em francês para home em alemão para home em inglês


para página sobre o reino animal

para página sobre os animais da quinta

para página sobre os mamíferos

para página sobre as aves

para página sobre os peixes

para página sobre os répteis

para página sobre os anfíbios

para página sobre os invertebrados


 
  título da página sobre os anfíbios  
         
 

Rãs num jardim      
Sabias que os anfíbios – também chamados batráquios – foram os primeiros vertebrados terrestres? Pois é.

Quase todos os anfíbios têm dois ciclos de vida: um aquático e um terrestre. E esta particularidade deu origem ao nome, pois anfíbio significa "dois lados da vida". As crias dos anfíbios desenvolvem-se primeiramente em meio aquático, por isso os anfíbios adultos deslocam-se até aos rios e lagos para aí depositarem os ovos. Ao eclodirem, os ovos dão origem a larvas, normalmente chamadas girinos, que se assemelham a peixes com cauda e respiram como estes por brânquias ou guelras. Depois de uma metamorfose, os girinos perdem as guelras e a cauda, que são substituídas por pulmões e pernas. Nessa altura; os jovens anfíbios deslocam-se para terra. Dependendo da forma do corpo, assim os anfíbios podem deslocar-se em terra trepando, saltando, andando ou rastejando; na água, mergulham e nadam.

A pele dos anfíbios é geralmente fina, nua, húmida e lisa. Os anfíbios são animais de sangue frio, o que quer dizer que a temperatura do corpo depende da temperatura do meio ambiente. Têm o coração dividido em duas aurículas separadas e um ventrículo comum, e assim o sangue oxigenado (arterial) mistura-se ao sangue venoso.

À classe dos anfíbios pertencem as salamandras, as rãs, os sapos e também uma espécie sem pernas, que parece uma cobra, pelo que é conhecida como cobra-cega, embora seja um anfíbio.

HÁ FESTA NO CÉU é um conto tradicional brasileiro que nos fala de um sapo. Podes comprar o livro em Sinapis Editores e o e-book em todos os sítios da Amazon.

 
   
 
A vida da rã

A vida de uma rã começa com um ovo muito pequenino e preto. A rã passa a sua “infância” na água, sob a forma de larva (chamada girino) com guelras e cauda, o que lhe facilita mover-se. As guelras externas aparecem primeiro, passado algum tempo desenvolvem-se as guelras internas, depois crescem-lhe pernas, e a cabeça e o corpo também crescem, desaparecendo a cauda.

metamorfoses da rã

Os girinos podem respirar na água graça às brânquias com que absorvem os nutrientes que lhes são necessários. Ao fim de três meses, as brânquias são substituídas por pulmões e as rãs, já adultas, respiram por pulmões e também através da pele, pelo que já podem sobreviver em ambiente terrestre.

As rãs existem em todas as cores e tamanhos e estão espalhadas por todos os continentes (à excepção da Antártida) e ilhas desde as zonas de clima mais frio às de clima tropical.

rã rã rã
rã rã rã
rã rã rã
rã rã rã
rã rã rã
rã rã rã
rã rã rã
rã rã rã
rã rã rã

 
 
assinatura do Barry
 
  voltar à anterior  
 
   
       
    Todos os Textos e Imagens © Dulce Rodrigues, 2009. Todos os direitos reservados